Seu Animal de Estimação é Exposto ao Glifosato?

O seu animal de estimação é exposto ao glifosato? Um estudo piloto recente mostra que é provável que os animais tenham níveis ainda mais altos – até 50% mais altos – de Glifosato em seus corpos.

Seu Animal de Estimação é Exposto ao Glifosato

Sabemos que os seres humanos cada vez mais testam positivo para resíduos de Glifosato, o ingrediente ativo do matador de ervas daninhas: O Roundup da Monsanto ( Mais conhecido como Mata-Mato).

Por exemplo, em testes conduzidos por um laboratório da Universidade da Califórnia em San Francisco, 93% dos participantes apresentaram resultados positivos para resíduos de Glifosato.

Na União Européia, quando 48 membros do Parlamento se ofereceram para o teste de Glifosato, todos apresentaram resultados positivos.

Em outubro de 2017, a revista Time relatou um estudo envolvendo 50 californianos que foram testados entre 1993-1996 e novamente entre 2014-2016. Os cientistas descobriram que não apenas o número de pessoas que testaram positivo para resíduos de Glifosato aumentou, mas também aumentaram as quantidades de resíduos detectadas.

Os seres humanos são expostos ao Glifosato através dos alimentos que ingerem, do ar que respiram, da água que bebem e dos gramados, jardins, parques e outros ambientes que frequentam.

Se os seres humanos estão contaminados com Glifosato,

é lógico que seus animais de estimação também estejam.

Seu Animal de Estimação é Exposto ao Glifosato

 

De fato, um estudo piloto recente mostra que é provável que os animais tenham níveis ainda mais altos – até 50% mais altos – de Glifosato em seus corpos.

“Em um estudo piloto, notamos que os níveis de glifosato

dos cães eram, em média, 50 vezes mais altos que as pessoas”

 

disse o Dr. John Fagan, cientista chefe do HRI Labs e ex-pesquisador do National Institutes of Health. “Pesquisas biomédicas recentes sugerem danos à saúde nesses níveis”, acrescentou.

Para acompanhar o estudo piloto, a HRI Labs lançou um projeto de pesquisa científica para cidadãos, em que o laboratório trabalhará com os donos de animais para determinar por que os animais têm uma exposição tão alta ao glifosato.

O projeto, lançado em 8 de maio de 2018, tem como objetivo identificar a rota principal pela qual os animais de estimação são expostos ao matador de ervas daninhas.

Seu Animal de Estimação é Exposto ao Glifosato?

Espera-se que o resultado forneça aos donos

as informações necessárias para proteger seus entes queridos

de uma toxina potencialmente mortal 

que já foi encontrada em níveis perturbadores em cães.

Os animais de estimação podem ser mais vulneráveis ​​às toxinas porque são mais baixos, têm patas desprotegidas e podem comer alimentos misturados ao glifosato, diz Karen Becker, veterinária conhecida por seu Blog Healthy Pets.

Proprietários de animais de estimação em toda a América do Norte podem participar do estudo solicitando um kit de coleta, enviando uma amostra da urina do animal de estimação ao HRI Labs e preenchendo uma pesquisa on-line sobre a dieta, a saúde e o estilo de vida do animal. Saiba mais sobre o estudo aqui.

Estudos ligam produtos químicos

de gramado ao câncer canino

Novas pesquisas sugerem que a exposição a pesticidas pode afetar os caninos da mesma forma que afeta os seres humanos. Os cientistas têm sido cada vez mais capazes de vincular substâncias químicas no gramado, particularmente o 2,4-D, ao câncer canino.

“Estudos descobriram que os produtos químicos do gramado viajam para os pátios vizinhos e dentro das casas, e foram encontrados produtos químicos na urina de cães cujos donos não borrifaram seus gramados”, relata Think About Now.

“Produtos químicos foram detectados na urina de cães em 14 de 25 domicílios antes do tratamento do gramado, em 19 de 25 domicílios após o tratamento do gramado e em 4 de 8 domicílios não tratados.

Os produtos químicos foram comumente detectados nos resíduos de grama dos gramados tratados e dos gramados não tratados sugerindo desvio químico de áreas próximas tratadas “.

Um estudo de seis anos realizado pela Escola de Medicina Veterinária da Universidade Tufts relatou um risco 70% maior de linfoma maligno canino (LMC) em cães expostos a pesticidas aplicados profissionalmente.

Outros estudos também vincularam herbicidas contendo 2,4-D à CML, que é relatado como tendo “uma histologia e epidemiologia semelhantes” ao linfoma não-Hodgkin – também vinculado à exposição ao 2,4-D.

Mesmo em baixas concentrações,

o Roundup e o Glifosato estão associados

a inúmeros problemas de saúde,

incluindo desde doenças renais

a defeitos congênitos e câncer.

Relatórios recentes dizem que o glifosato pode alterar o microbioma humano – um ecossistema complexo composto por microorganismos que controlam uma série de processos importantes, incluindo a função do sistema imunológico e a saúde do cérebro – e em níveis considerados “seguros” pela Agência de Proteção Ambiental dos EUA.

Se o glifosato é capaz de causar tanto estrago

na saúde humana, que impacto isso tem na

saúde de nossos animais de estimação?

Os cientistas do HRI Labs pretendem descobrir.

“O movimento da ciência cidadã possibilita a realização de pesquisas científicas rigorosas sobre tópicos que não são necessariamente de interesse para empresas e órgãos governamentais que normalmente financiam a maioria das pesquisas”, afirmou o HRI Labs em um comunicado à imprensa recente.

Para saber mais sobre o estudo ou para participar, clique aqui.

Por Julie Wilson, associada de comunicações da Organic Consumers Association.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.