Flúor pode Afetar QI de Crianças

A água potável tratada com flúor durante a gravidez pode levar a um QI mais baixo em crianças, segundo um novo e controverso estudo.

De acordo com os Centros dos EUA para Controle e Prevenção de Doenças, muitos adultos e crianças observaram os benefícios para a saúde dental da água potável tratada com flúor nos últimos 70 anos, incluindo dentes mais fortes e 25% menos cáries.

Atualmente, mais de 66% dos americanos recebem água tratada com flúor.

Mas, de acordo com pesquisadores da Universidade de York, em Toronto,

quanto maior a concentração de flúor presente na urina da futura mãe, menor o escore de QI do filho do sexo masculino.

Para o estudo, publicado este ano  na JAMA Pediatrics, os pesquisadores rastrearam 512 mães, medindo sua exposição ao flúor comparando quanto estava na água potável da comunidade, quanta água da torneira e chá as mães bebiam e a quantidade de flúor na mãe. sua urina durante toda a gravidez.

Seus filhos receberam um teste de QI entre três e quatro anos.

Os pesquisadores descobriram que, para cada aumento de 1 miligrama por litro de concentração de flúor na urina da mãe, a pontuação de QI da criança caiu 3,7 pontos.

As crianças do sexo masculino tiveram uma pontuação de QI 4,5 pontos mais baixa para cada 1 miligrama por litro,

enquanto não havia um vínculo significativo no que se refere às crianças do sexo feminino, embora os pesquisadores não pudessem apontar o porquê.

“No nível populacional, é uma grande mudança. Isso se traduz em milhões de níveis de QI perdidos”,

disse à CNN a autora do estudo Christine Till, professora associada do Departamento de Psicologia da Universidade de York, em Toronto.

Os resultados parecem apoiar as descobertas dos poucos estudos anteriores que mostram uma associação entre aumento da exposição ao fluoreto e QI reduzido em crianças, embora este seja o primeiro estudo que analisou populações que receberam 0,7 miligramas de fluoreto por litro de água potável, informou a CNN, que é o que o Serviço de Saúde Pública dos EUA considerou a proporção ideal.

No entanto, alguns dos estudos anteriores foram questionados por especialistas em saúde, The Daily Beastreed, e este foi recebido com o mesmo ceticismo.

O editor chefe da Jama Pediatrics, Dimitri Christakis, pediatra, acrescentou uma nota do editor dizendo que a decisão de publicar este artigo mais recente “não foi fácil” e que foi submetida a “um exame minucioso de seus métodos e da apresentação de suas descobertas”.

Os pesquisadores reconheceram que o estudo não teve limitações.

Eles não mediram a exposição ao flúor nas crianças após o nascimento, nem poderiam ter sido responsáveis ​​pelas quantidades de flúor consumidas pouco antes da coleta das amostras.

Outros especialistas questionaram os pontos fracos na coleta e medição de dados e expressaram dúvidas sobre as diferenças de gênero nos resultados.

“Embora os autores estejam apenas relatando o que descobriram, acho difícil explicar essas diferenças sexuais.

Com um neurotóxico, você pode esperar que ambos os sexos sejam afetados”, afirmou Alastair Hay, professor emérito de toxicologia ambiental da Universidade de Leeds.

Grupos como a Academia Americana de Pediatria também alertaram contra a alteração das políticas de saúde pública com base neste estudo antes de seus resultados serem replicados.

“Eu ainda mantenho o peso das melhores evidências disponíveis, em 70 anos de estudo, de que a fluoretação da água na comunidade é segura e eficaz”, disse Brittany Seymour, dentista da American Dental Association, ao Washington Post.

“Se conseguirmos replicar as descobertas e continuar vendo resultados, isso nos levaria a revisitar nossa recomendação.

Ainda não chegamos lá”.

Por Sam Niclerson / Ecowatch 

Um comentário em “Flúor pode Afetar QI de Crianças

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.