Glifosato provoca alterações no DNA

Glifosato provoca alterações no DNA, resultando em doenças crônicas, de acordo com estudo.

 

O glifosato está relacionado a  várias doenças, incluindo diabetes, obesidade, asma, doença de Alzheimer, esclerose lateral amiotrófica (ALS), na doença de Parkinson, entre outras.

 

Glifosato provoca alterações no DNA

Uma revisão da literatura científica liga o glifosato, um dos herbicidas mais populares nos EUA ( e no mundo) e o ingrediente ativo do Roundup, a uma ampla gama de doenças crônicas causadas  através de um mecanismo que modifica o funcionamento do DNA, adicionando um nova dimensão ainda mais preocupante para a classificação do câncer por herbicida pela Agência Internacional de Investigação do Câncer.

 

 

De acordo com a mais recente revisão,  Glifosato para a doença moderna V: analógico de aminoácidos de glicina em diversas proteínas, conduzida por renomados cientistas independentes, tais como:  Anthony Samsel, Ph.D. e Stephanie Seneff, Ph.D., cientistas Do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), atos de glifosato como um análogo da glicina que incorpora em peptídeos durante a síntese de proteínas.

 

Stephanie Seneff
Stephanie Seneff

Neste processo, altera um número de proteínas que dependem de glicina  para conservar seu funcionamento adequado.

De acordo com os autores, a substituição da glicina por glifosato resulta na sua relação com o surgimento de várias doenças, incluindo diabetes, obesidade, asma, doença de Alzheimer, esclerose lateral amiotrófica (ALS), na doença de Parkinson, entre outras.

 

Glicina, um pequeno aminoácido comumente encontrado em proteínas, tem propriedades únicas que suportam a flexibilidade e a capacidade de ancorar a membrana do plasma ou do citoesqueleto.

 

Esta nova evidência biológica, tratados em conjunto com os dados de correlação,  tornam convincentes que a toxicidade do glifosato  altera grande parte do aminoácido Glicina, de acordo com o estudo.

 

Os autores constataram  que o glifosato, como um análogo do aminoácido glicina, pode ser incorporado em cadeias polipeptidicas durante a síntese de proteínas.

 

Anthony Samsel
Anthony Samsel

 

Ao fazê-lo, provoca um impacto sobre a estrutura e função das proteínas. As proteínas  dobram-se, e a glicina é uma pequena molécula que frequentemente  é encontrada nos lugares dobráveis. 

Uma vez que o glifosato é muito maior,  impede que a molécula de proteína se dobre adequadamente, levando à destruição da função de muitas proteínas e com funções essenciais em processos reguladores do metabolismo.

 

 

Glifosato provoca alterações no DNA,

resultando em doenças crônicas,

de acordo com estudo.

 

O artigo cita inúmeras  maneiras de como que afeta os seres humanos e outros organismos.

De acordo com o estudo, as consequências desta ação pode levar a liberação de ácidos graxos prejudiciais,  levando à :

 

–  Obesidade

– Diabetes

– Defeitos do tubo neural

– Autismo

– Câncer

– Doenças Pulmonares

– Doenças auto-imunes.

 

 

Stephen Frantz
Stephen Frantz

Stephen Frantz, Ph.D.,  cientista e biologista explica assim:

“Quando uma célula está tentando formar proteínas, pode pegar glifosato em vez de glicina para se formar,  gerando uma proteína danificada.

Depois disso, é o caos na medicina. Onde o glifosato substitui a glicina, a célula já não pode realizar transações naturais como de costume , e como consequência geram muitas doenças imprevisíveis e distúrbios como resultado “.

 

 

Glifosato provoca alterações no DNA,

resultando em doenças crônicas,

de acordo com estudo.

 

O lançamento deste estudo vem na esteira de várias outras discussões e ações sobre o glifosato que tiveram lugar ao longo das últimas semanas.

 

No mês passado, em uma reunião no Congresso Americano promovida pela U.S Representante Ted Lieu, uma delegação de cientistas independentes, incluindo autores deste estudo, apresentaram suas descobertas, instando os legisladores a solicitar à EPA para proibir o RoundUp, herbicida carro-chefe da Monsanto.

 

O Beyond Pesticides  participou do painel, prestando testemunho sobre o impacto do glifosato no solo, bem como o risco que representa para os seres humanos, animais e meio ambiente.

 

Seguindo o briefing do Congresso, os cientistas falaram em uma reunião fechada com a Environmental Protection Agency (EPA), explicando as razões bioquímicas e fisiológicas  do porque a exposição ao glifosato, o ingrediente ativo do RoundUp, está ligado ao autismo, Alzheimer, câncer, defeitos de nascimento, obesidade , intolerância ao glúten, entre outros problemas de saúde.

O Escritório da EPA   – Programas de Pesticidas  e sua equipe se reuniram com os congressistas e forneceram uma visão geral do processo de registro da EPA para o glifosato.

A  EPA indicou que grande parte da informação fornecida pode não impactar sua avaliação atual de risco para o glifosato,  mas  que talvez em algum momento em 2017.

 

Glifosato, criado pela Monsanto, é apresentado como produto de  “baixa toxicidade” química e “mais seguro” do que outros produtos químicos por parte da indústria de agrotóxicos.

 

Mas  ao contrário disto, o glifosato tem demonstrado impactos negativos sobre os seres humanos e ao meio ambiente.

Dada a sua utilização generalizada tanto em residências como no setor agrícola, a sua toxicidade é uma preocupação crescente.

 

No início de 2015, o glifosato foi classificado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e Agência Internacional de Investigação do Câncer (IARC) como um “provável cancerígeno humano.”

 

Apenas alguns meses depois, um estudo publicado no  Saúde Ambiental descobriu que a exposição crônica, em baixas doses de  glifosato levaram a efeitos adversos no fígado e no rim.

 

O Roundup também pode induzir a formas alteradas de DNA relacionadas com a sua exposição química, afetando os rins e o fígado de ratos, disruptor endócrino da célula  humana sobre o receptor de andrógeno, a inibição da atividade de transcrição sobre os receptores de estrogênio no HepG2, danos ao DNA e efeitos citotóxicos que ocorrem em concentrações bem abaixo de resíduos “aceitáveis” têm sido observados.

 

O Roundup também prejudica a capacidade das culturas para capturar carbono do ar, um fator importante na luta contra as alterações climáticas.

“O glifosato afeta negativamente o microbioma do solo”, disse Frantz. ” E  destrói a capacidade do solo que é  um meio nutritivo para a produção de colheitas. A agricultura regenerativa orgânica ou biológica é a solução para o setor agrícola sustentável e para  a conservação do solo, do ar e da qualidade da água, para não sequestrar carbono que ajuda a mitigar a crise climática. Fazemos um apelo para a proibição do glifosato “.

Larissa Mies Bombardi

 

 

 

Geografia do Uso de Agrotóxicos no Brasil e Conexões com a União Europeia
Geografia do Uso de Agrotóxicos no Brasil 

 

 

   Chega de Agrotóxicos ! Participe ! Assine ! Compartilhe !

 

 

 

Fontes : Beyond Pesticides  , Research Gate, Huffington Post

 

 

 

Beyond Pesticides  

É uma organização sem fins lucrativos sediada em Washington, DC, que trabalha com aliados na proteção da saúde pública e do ambiente para liderar a transição de um mundo livre de pesticidas tóxicos. Seus fundadores, perceberam que sem a existência de uma rede nacional organizada, local e estadual  sobre a  política nacional de pesticidas,  a pressão da indústria química,  seria cada vez mais insensível à saúde pública e as preocupações ambientais.

A Beyond Pesticides acredita que as pessoas devem ter voz nas decisões que os afetam diretamente e não aceitar decisões das indústrias químicas que se recusam a considerar todos fatos.

vitrine organica brasil

 

 

 

11 comentários em “Glifosato provoca alterações no DNA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *