Glifosato na Comida

Glifosato na Comida. Recentemente, um médico naturopata chamado Matthew Strickland decidiu revisar a literatura sobre os resíduos de glifosato em alimentos populares!

A Monsanto está cambaleando desde a primavera de 2015, quando o glifosato foi declarado um  “provável cancerígeno humano” pela IARC da Organização Mundial da Saúde.

Desde então, alimentos favoritos da População deram  positivo para o Glifosato, em níveis muito superiores aos níveis “seguros” do governo (que na verdade são bem mais altos do que os propostos pela Califórnia e muitas organizações independentes de saúde e meio ambiente).

42.700 Ações Contra a Monsanto

Mas o Glifosato em nossos alimentos é realmente uma ameaça direta à nossa Saúde?

Ou as quantias são tão pequenas que realmente não precisamos nos preocupar com isso?

Recentemente, um médico naturopata chamado Matthew Strickland decidiu revisar a literatura sobre resíduos de glifosato em alimentos populares, analisando os atuais “níveis seguros” e testes laboratoriais independentes para determinar se o glifosato é ou não um grande “bicho-papão” como a comunidade natural da saúde continua dizendo que é !

Depois de revisar os dados disponíveis, o Dr. Strickland chega a três conclusões importantes !!!

Matthew Strickland

Um dos maiores tópicos do mundo da saúde nos últimos anos tem sido a controvérsia sobre o Roundup da Monsanto e da Bayer, o herbicida tóxico e sintético com seu principal ingrediente: o glifosato.

O glifosato foi declarado como um “provável cancerígeno humano” pelo principal órgão de pesquisa em câncer da Organização Mundial da Saúde na primavera de 2015, mas

EPA dos Estados Unidos e outras agências governamentais parecem não estar preocupadas com o impacto que isso tem sobre nossa saúde e meio ambiente.

Eles também NÃO!👇

Recentemente, o produto químico voltou a ser o centro das atenções.

Outros produtos que contêm altos níveis de glifosato acima dos níveis de segurança recomendados incluem produtos convencionais, tais como:

Aveia

Cereais

Salgadinhos

Alimentos para bebês

o que levou a um novo processo do advogado Robert F. Kennedy Jr. recentemente.

É claro que o glifosato está se tornando uma parte inevitável da dieta humana, embora a mudança para o orgânico possa produzir grandes resultados, tanto a curto como a longo prazo.

Mas qual é o risco para a saúde de termos o glifosato em nossos alimentos?

O Dr. Matthew Strickland, médico naturopata , revisou recentemente os estudos e ofereceu três conselhos cruciais para as pessoas preocupadas em como gastar seu dinheiro no supermercado.

“Há uma grande diferença entre orgânico e convencional”

Strickland, escrevendo para o site Medium.com, analisou os resultados de laboratório para o glifosato em alimentos populares do Environmental Working Group e disse que confiava em seus testes, observando que eles usavam um laboratório independente e com um “método de teste moderno e muito preciso”.

Os resultados do laboratório, realizados em alimentos tipicos de  café da manhã revelaram que

31 das 45 amostras testadas apresentaram níveis de glifosato acima do limite de segurança

do EWG de 160 partes por bilhão (PPB).

Muitas das amostras com testes mais altos eram alimentos à base de aveia, incluindo duas amostras de produtos da marca Quaker Oats, cada uma testada acima do nível de 1.000 PPB.

A primeira evidência que Strickland teve ao estudar os resultados do laboratório foi que o orgânico realmente vale o dinheiro.

“Existe uma grande diferença entre orgânico e convencional.

A maioria dos produtos orgânicos testados estiveram livres de glifosato (ND = nenhum detectado) ”, ele escreveu.

Algumas das culturas orgânicas testadas apresentaram baixos níveis de glifosato.

Esse resultado é por quê existem culturas geneticamente modificadas próximas às de cultivo orgânico.

No total, existe uma “quantidade baixa, mas significativa de glifosato que entra em nossa comida”, concluiu Strickland.

No final do dia, é difícil determinar exatamente quanto de glifosato na dieta de cada pessoa é seguro, devido aos níveis “seguros” estarem em constante mudança e apresentados por diferentes órgãos governamentais.

O uso de glifosato na agricultura dos EUA , aumentou de 40 milhões de libras em 1995 para 290 milhões em 2014.

Claramente, esta é uma questão que precisa de maior entendimento entre consumidores, agricultores e cientistas.

sobre o glifosato em alimentos

O Dr. Strickland oferece três conselhos para qualquer pessoa preocupada com resíduos de glifosato em seus alimentos.

1

Compre orgânicos quando e sempre que puder! Procure conhecer o agricultor local nas feiras de alimentos do seu bairro.

Muitas vezes, os agricultores podem não ter certificação orgânica, mas são livres de pesticidas e herbicidas.

Um pouco de pesquisa ajuda bastante a descobrir quem vende o produto mais saudável e sem produtos químicos.

2

Não se preocupe em ter alguns alimentos cultivados de forma convencional.

Somos todos humanos e é praticamente impossível comer 100% orgânico, a menos que você viva em uma área intocada ou cultive a maior parte de sua própria comida.

“É importante estar ciente do que está na sua comida. Mas os baixos níveis de uma única refeição não valem o estresse de se preocupar se é ou não é orgânica”, Dr. Strickland disse.

3

Mesmo os alimentos que não são transgênicos  ainda podem ser pulverizados com o Roundup.

Não OGM (Transgênicos) e Orgânicos são dois termos completamente diferentes

Alimentos como aveia que são saudáveis , ainda podem ser pulverizados com o Roundup, muitas vezes em grandes quantidades.

“Evitar alimentos OGM (Transgênicos) não limitará a exposição a pesticidas e herbicidas, a menos que sejam orgânicos ou você conheça o agricultor que os cultivou”, disse Strickland.

Obrigado pela leitura!

Você pode aprender mais sobre a prática do Dr. Strickland em SoutheasternWellness.com.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.