Glifosato está contaminando o Mel

Mel contaminado ! Todas as amostras da FDA testadas em um exame recente, continha resíduos de glifosato, e alguns no mel mostraram níveis de resíduos com o dobro do limite permitido na União Europeia, de acordo com documentos obtidos através de um pedido da  Freedom of Information Act (FOIA) .

A Lei de Liberdade de Informação (FOIA) é uma lei que lhe dá o direito de acessar informações do governo federal. É muitas vezes descrito como a lei que mantém os cidadãos no conhecimento sobre seu governo.

A Food and Drug Administration (FDA) , sob pressão da opinião pública, começou a  testar amostras de alimentos nos EUA para identificar a presença de um pesticida que tem sido associada ao câncer e ,   algumas conclusões iniciais, não são tão doce assim!

 

 

Ao analisar amostras de mel de vários locais nos Estados Unidos, a FDA vem encontrando novas evidências de que os resíduos do herbicida glifosato pode ser generalizada – encontrado até mesmo em um alimento que não é produzido com o uso de glifosato.

 

 

 

 

Todas as amostras do FDA testadas em um exame recente, continha resíduos de glifosato, e alguns no mel mostraram níveis de resíduos com o dobro do limite permitido na União Europeia, de acordo com documentos obtidos através de um pedido da  Freedom of Information Act .

 

Não existe um nível de tolerância

legal para o glifosato no mel dos Estados Unidos

Glifosato, que é o ingrediente chave do herbicida Roundup da Monsanto Co., é o herbicida mais utilizado no mundo ( no Brasil é campeão ), e as preocupações com resíduos de glifosato em alimentos – foram cravadas após especialistas em câncer da Organização Mundial da Saúde concluírem em 2015 que o “glifosato” é um provável cancerígeno humano.

 

Outros cientistas internacionais têm levantado preocupações sobre como o uso pesado de glifosato está afetando a saúde humana e o meio ambiente.

 

Registros obtidos a partir da FDA, bem como da Agência de Proteção Ambiental e do Departamento de Agricultura dos EUA, detalha uma série de revelações sobre os esforços do governo federal para obter uma “ligação” sobre estas preocupações crescentes.

 

 

Além de mel, os especialistas mostraram registros de resíduos de glifosato encontrado em amostras de soja e trigo , e o  governo discute  as “ controvérsias do glifosato”, e a crença de que poderia haver “uma série de violações no uso do  glifosato” – deixando resíduos em outras culturas nos EUA.

 

 

 

A FDA examina anualmente alimentos para verificar os resíduos de muitos pesticidas, mas ignorou durante décadas o teste de resíduos para o glifosato.

 

Foi somente em fevereiro deste ano que a agência afirmou que iria começar uma análise de resíduos para o glifosato.

 

Isso só aconteceu  depois que  muitos pesquisadores independentes começaram a realizar seus próprios testes e descobriram glifosato em uma variedade de produtos alimentares, incluindo farinha, cereais e farinha de aveia.

 

“ Onde há Glifosato,

há controvérsias de interesses “

Governo e Monsanto têm defendido que quaisquer resíduos de glifosato em alimentos são mínimos o suficiente  e por isso são seguros.

Mas críticos dizem que sem realizar testes robustos, não é possível conhecer os níveis de glifosato nos alimentos.

 

E eles afirmam que mesmo pequenas quantidades podem ser prejudiciais porque elas são provavelmente consumidas  regularmente em muitos alimentos.

 

As questões de resíduos de glifosato  estão vindo para a ribalta, ao mesmo tempo que a EPA está completando uma avaliação de risco para determinar se o uso deste herbicida mais vendido no mundo deve ser limitado.

A agência tem agendado reuniões públicas sobre o assunto , a próxima estava prevista para  de 18 a 21 outubro, em Washington.

 

O relatório de avaliação de riscos da EPA foi inicialmente lançado em 2015, mas ainda não foi finalizado.

A agência agora diz que será concluído na “primavera de 2017.”

 

Nos registros liberados pela FDA, um e-mail interno descreve problemas para localizar “ mel “ que não contenha  glifosato: “É difícil encontrar mel puro que não contenha resíduos. Eu coletei cerca de 10 amostras de mel no mercado e todos eles continham  glifosato “, afirma um pesquisador da FDA.

 

 

Os documentos da FDA mostraram , que mesmo  o “mel orgânico” continha baixas concentrações de glifosato.

Leighton Orange Blossom
               Leighton Orange Blossom

 

 

De acordo com os registros da FDA, amostras testadas pelo químico Narong Chamkasem mostraram níveis de resíduos em 107 ppb  de amostras coletadas dos Associados da  FDA :

– no Mel da Louisiana  de Carmichael:  resíduos de 22 ppb

– no mel de Leighton Orange Blossom  – mel distribuído na Flórida : resíduos de 41 ppb

– no Lowa Sue mel de abelha, por exemplo, que é comercializado por uma cooperativa de apicultores americanos como “puro e natural” ou ” o Mel da América “.

Asseguram que Sue mel de abelha é 100% puro, 100%  natural e 100% norte-americano, afirmou a Associação Sioux de Mel.

Em 08 de janeiro de 2016 , um e-mail de Chamkasem apontou aos cientistas companheiros da FDA que o nível de tolerância da EU (União Europeia)  é de 50 ppb, logo  não há quantidade de glifosato permitida em todos os mel nos Estados Unidos.

Mas Chris Sack, um químico da FDA que supervisiona testes de resíduos de pesticidas da agência, respondeu reafirmando a Chamkasem e aos outros colegas cientistas  que as descobertas  de resíduos de glifosato são  :  “tecnicamente uma violação.”

 

 

Glifosato está contaminando o Mel

“Os apicultores não estão quebrando todas as leis; em vez disso – o glifosato está sendo introduzido pelas abelhas “, Sack escreveu em resposta.

 

“Embora a presença de glifosato no mel seja tecnicamente uma violação, não é uma questão de segurança.”

 

Sack disse que a EPA  ” estava ciente do problema” e já era de se esperar –  suas definições sobre os níveis de tolerância para o mel.

Uma vez que os níveis de tolerância são definidos pela EPA – se estes níveis forem suficientemente elevados – os resíduos já não seriam uma violação.

Quando contatada, a EPA disse que atualmente não há solicitações pendentes para definir níveis de tolerância para o glifosato no mel. Mas, a agência também disse: “não há preocupação em risco alimentar da exposição a resíduos de glifosato no mel neste momento.”

O vice-presidente da Sioux , da Mel Bill Huser , disse que o glifosato é comumente usado em campos de exploração agrícola frequentados por abelhas, e o pesticida viaja de volta com as abelhas das colmeias, onde o mel é produzido.

 

“A indústria não tem qualquer controle sobre  impactos ambientais como este”, disse Huser.

A maioria de mel de Sue Bee vem de abelhas localizadas perto de plantações de trevo e alfafa no Midwest superior, disse ele.

Apicultores localizados no Sul teriam abelhas perto de campos de algodão e soja.

 

 

Alfafa, soja e algodão são todos geneticamente modificados (transgênicos)  para serem pulverizados diretamente com o glifosato.

Os resultados da FDA não são os primeiros a encontrar glifosato no mel.

 

Uma amostragem feita no início de 2015 pela empresa de investigação científica Abraxis, encontrou resíduos de glifosato em 41 das 69 amostras de mel com níveis de glifosato entre 17 e 163 ppb, ou seja , uma média de 64 ppb.

 

Apicultores dizem que são vítimas inocentes que veem seus produtos de mel contaminados, simplesmente porque eles podem estar localizados dentro de algumas milhas de fazendas onde o glifosato é usado.

 

Eu não entendo o que eu deveria  fazer para controlar o nível de glifosato em meu mel quando eu não faço uso do Roundup”, disse o operador de mel da empresa. “É tudo ao meu redor. É injusto.”

A FDA não respondeu a uma pergunta sobre a extensão das suas comunicações com Monsanto sobre o controle de resíduos para o glifosato, mas os registros divulgados mostram que a Monsanto teve pelo menos algum tipo de interação com o FDA sobre esta questão.

Em abril deste ano, o gerente de  assuntos  de regulamentação internacional da Monsanto ; Amelia Jackson-Gheissari , foi enviada a  FDA pedindo para se configurar um tempo para se falar sobre “a execução dos níveis de resíduos nos EUA, particularmente de glifosato.”

 

A FDA rotineiramente verifica os resíduos de um certo número de pesticidas normalmente utilizados, mas não o glifosato.

 

Verificar o glifosato este ano foi considerado uma “missão especial” e veio depois que a agência foi criticada pelo Government Accountability Office EUA em 2014 por não testar  o herbicida  glifosato.

 

A FDA não divulgou os resultados formais de seus planos de teste ou as conclusões, mas Sack fez uma apresentação em junho, para  o Conselho  da Califórnia especializada em colheitas e disse que a agência estava analisando 300 amostras de milho; 300 amostras de soja; e 120 amostras de cada – de ovos e leite.

 

Ele descreveu alguns resultados parciais obtidos até abril que mostraram níveis de glifosato encontrados em 52 amostras de milho e 44 amostras de soja, mas não acima dos níveis legalmente permitidos.

A apresentação não mencionou  o mel.

 

Nesta apresentação ele também afirmou que o teste de glifosato na FDA será expandido para “exames de rotina”.

O USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) também vai começar a testar o glifosato, mas no próximo ano, de acordo com informações que a agência deu ao grupo sem fins lucrativos Beyond Pesticides em uma reunião realizada em Janeiro em Washington.

Os documentos obtidos através do FOIA mostraram um plano para testar em xaropes e óleos em 2017.

 

Soja e Trigo              

      

 

Assim como a FDA, o USDA vem se arrastando na realização de testes.

 

Em 2011 , apenas uma vez,  o USDA realizou testes para resíduos de glifosato,  apesar do fato de realizarem testes generalizados para outros resíduos de pesticidas menos usados.

Chamado de “projeto especial”, a agência da USDA testou 300  amostras de soja que utiliza o glifosato e encontrou resíduos do herbicida em mais de 90 por cento : em 271 das amostras.

A agência disse então que realizar mais testes para o glifosato não era “uma alta prioridade”, pois o glifosato é considerado muito seguro.

 

Ele também disse que, embora os níveis de resíduos em algumas amostras chegaram perto de níveis muito elevados de glifosato – para a “tolerância” estabelecida pela EPA, não excediam a esses níveis.

 

Tanto a USDA e a FDA  disseram há muito tempo  que os testes são muito caros e que não é necessário testar resíduos de glifosato.

 

No entanto, a divisão dentro da USDA conhecida como o Grain Inspection, Packers e Stockyards Administration (GIPSA – Serviço Federal de Inspeção de Grãos) vem testando resíduos de glifosato no trigo por anos porque muitos compradores estrangeiros têm fortes preocupações sobre resíduos de glifosato.

Os testes da GIPSA é parte de um “programa de amostragem de cargas de exportação,” revelaram os documentos obtidos da GIPSA.

Esses testes mostraram resíduos de glifosato detectados em mais de 40 por cento de centenas de amostras de trigo examinados no ano fiscal de 2009, 2010, 2011 e 2012. E seus níveis variaram, segundo seus dados.

A GIPSA também tem ajudado no acesso da soja para a FDA  testar. Em um e-mail de Maio de 2015, o químico da GIPSA , Gary Hinshaw, disse a uma autoridade de segurança alimentar da  FDA que “não é difícil encontrar soja contendo glifosato “.

 

Em  07 de dezembro de 2015, um e-mail de Terry Councell , químico da FDA , para Lauren Robin, também químico e um oficial da segurança dos consumidores da FDA,  Councell  afirmou que o glifosato estava presente até mesmo em produtos processados, embora “muito abaixo do nível de tolerância exigido.”

 

O fato de que o governo está ciente de resíduos de glifosato na comida, mas vem se  arrastando nos testes por tanto tempo, frustra muitos que estão preocupados com o pesticida.

“Não há sentido de urgência em torno destas exposições que vivemos com o dia a dia”, disse Jay Feldman ao diretor-executivo do Beyond Pesticides .

 

E no Brasil ?

 

No Brasil, infelizmente, avançam dois projetos para liberação de mais agrotóxicos!

O projeto 3200 de Covati Filho e Projeto de Lei nº 6299/2002, de autoria do atual ministro da Agricultura, Blairo Maggi!

E você caro leitor, pode contribuir para que estes projetos não sejam aprovados.

Basta acessar a este link da Campanha :

Não queremos mais venenos!

 

Você encontrará uma carta pronta destinada aos Deputados com seus respectivos e-mails e  que irão votar contra ou a favor!

Escreva a eles – solicitando que não aprovem estes Projetos, pois caso isso ocorra, será um desastre de proporções “incalculáveis”  – tanto á saúde dos brasileiros , como ao meio ambiente !

Participe também deste abaixo-assinado !

Todas as ações serão importantes para preservarmos nossa Segurança Alimentar!

Fonte: http://www.huffingtonpost.com/

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *